Bienal do Livro terá ações de responsabilidade socioambiental

Objetivo é diminuir os impactos ecológicos causados pelo uso de energia e outros recursos naturais

Publicada em 27/09/2017 às 16:56
Agência Alagoas
  
Organização da Bienal pretende gerar o mínimo de impacto e degradação possível durante o evento I Foto: Divulgação Organização da Bienal pretende gerar o mínimo de impacto e degradação possível durante o evento I Foto: Divulgação

A 8ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas, que acontece entre os dias 29 de setembro e 8 de outubro, no Centro de Convenções, em Maceió, terá ações de responsabilidade socioambiental. Durante os dez dias do evento, diversas ações serão promovidas com o objetivo de diminuir os impactos ecológicos causados pela estrutura e montagem da feira de livros, assim como pelo uso de energia e outros recursos naturais.
 
“Sabemos que um evento dessa natureza gera uma quantidade de lixo muito grande e, consequentemente, existe um potencial e uma oportunidade de reciclagem também muito grande. Por esse motivo, buscamos trazer para o casting do evento instituições que nos auxiliem a dar a destinação correta para esses materiais”, afirmou a relações públicas da Ufal, Janaina Alves.
 
O objetivo da organização nesta edição da Bienal é gerar o mínimo de impacto e degradação possível, por isso, materiais recicláveis como plásticos, banners, papéis e vidros serão encaminhados à Cooperativa dos Recicladores de Maceió (Cooplum), responsável pelo recolhimento e tratamento desses resíduos.
 
No que diz respeito ao impacto ambiental, pensando numa contrapartida ecológica, a Ufal firmou parcerias com o Instituto do Meio Ambiente (IMA) e com a Secretária Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semds) para realizar a doação de mudas, atividades educativas e informativas durante o evento, numa estrutura exclusivamente montada para essa finalidade. As 35 mudas de Ipê doadas pelo IMA serão destinadas ao plantio nos campi da Ufal. Além disso, o órgão irá dispor de material educativo próprio.
 
Já a Semds participa do evento com ação que já vem sendo desenvolvida pela prefeitura. O projeto Planta Maceió, que promove educação ambiental e doação de mudas para a população em diversos pontos da cidade, será realizado no Centro de Convenções durante a Bienal. Além da distribuição de mil mudas, técnicos do Núcleo de Monitoramento Arbóreo farão orientações sobre o porte e o tipo de árvore indicados para cada região, bem como os cuidados necessários para seu crescimento saudável.
 
Esta edição da Bienal do Livro conta com a parceria do Governo de Alagoas, Prefeitura de Maceió e Fundepes; e com os seguintes patrocinadores: Sebrae-AL, Braskem, Sesi, Senai e Fapeal. Conta, ainda, com o apoio da Usina Coruripe, Cesmac, Instituto Zumbi dos Palmares, Doity Plataforma de Eventos, Hotel Ponta Verde e de outras entidades, órgãos e instituições que colaboram com o grandioso evento.
 
Sobre as instituições parceiras
 
O IMA é um órgão ambiental de Alagoas foi criado em 1975, com jurisdição em todo o território alagoano e é responsável pela execução das políticas estaduais de Meio Ambiente, enquanto um conjunto de normas, planos, programas e outros instrumentos de proteção ambiental. Para saber mais sobre as ações do IMA, acesse a página da instituição.
 
A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável foi criada em 2016 e é responsável por diversas ações, como a revitalização e construção de espaços públicos destinados ao lazer, além de gerir o Parque Municipal e projetos ambientais em parceria com a iniciativa privada.
 
Já a Cooplum é uma cooperativa de catadores e recicladores de lixo que existe há 15 anos em Maceió. O grupo é formado por 18 membros.

O conteúdo dos comentários abaixo é de responsabilidade de seus autores e não representa a opinião deste portal.
JBuarque
Ciclo Peças

Curta no Facebook