Cientistas descobrem mutação que pode ter acelerado propagação da zika pelo mundo

Descoberta feita por cientistas chineses foi publicada na revista 'Nature' nesta quarta-feira. Mutação pode explicar propagação a partir de 2013.

Publicada em 18/05/2017 às 19:12
G1
  
Ilustração mostra a estrutura do vírus da zika (Foto: Kateryna Kon / Science Photo Libra / KKO / Science Photo Library) Ilustração mostra a estrutura do vírus da zika (Foto: Kateryna Kon / Science Photo Libra / KKO / Science Photo Library)

Cientistas chineses identificaram uma mutação no vírus da zika que pode ter contribuído para a aceleração da propagação do vírus nos últimos anos. A descoberta, que aparece na edição desta quarta-feira (17) da revista “Nature”, pode ajudar a explicar por que esse vírus, descoberto na África em 1947, passou a provocar epidemias cada vez maiores a partir de 2013, quando um surto foi registrado na Polinésia Francesa.

Os pesquisadores, liderados por Gong Cheng, da Universidade Tsinghua, em Pequim, já tinham identificado em estudos anteriores que uma proteína produzida pelo vírus da zika, chamada NS1, era capaz de potencializar a capacidade de infecção dos mosquitos Aedes aegypti pelo vírus.

Análises de amostras de vírus da zika coletadas em dois momentos diferentes – em 2010, no Camboja, e durante a atual epidemia que afeta o Brasil e outros países – revelou que o vírus mais recente tem um potencial muito mais alto de infectar mosquitos do que o vírus coletado anteriormente.

Eles identificaram, então, uma mutação na proteína NS1 nas amostras mais atuais do vírus que pode explicar esse aumento do potencial de aquisição do vírus pelo mosquito. Essa mutação parece ter surgido em 2013, segundo os cientistas.

Linhagem africana e asiática

A ciência já tinha identificado que o vírus da zika descoberto na África nos anos 1940 é diferente do que provocou uma epidemia na Polinésia Francesa em 2013 e, desde então, se espalhou pelo mundo.
Segundo Cheng, antes de 2012, o conhecimento do vírus da zika estava concentrado apenas no ciclo de transmissão chamado enzoótico ou silvático na África, que é o ciclo de transmissão entre mosquitos e primatas não-humanos.

“As linhagens asiáticas do vírus podem ter evoluído para atingir humanos com maior infectividade”, afirma Cheng, em entrevista ao G1 por e-mail. Em 2007, por exemplo, a linhagem asiática do vírus provocou um surto na Micronésia.

Porém, uma mutação que surgiu posteriormente no vírus asiático aumentou ainda mais o potencial nocivo do vírus contra os humanos.

Uma proteína contém aminoácidos alinhados em uma certa sequência. A mutação identificada pelos pesquisadores na proteína NS1 do vírus da zika foi uma substituição do aminoácido alanina pelo aminoácido valina na posição 188. “A substituição da alanina por valina na posição 188 melhorou ainda mais a eficácia de transmissão do vírus da zika de humanos para mosquitos, aumentando sua prevalência em mosquitos”, diz Cheng.

“Nossos dados oferecem uma potencial explicação para a recente re-emergência do vírus da zika, e sugere que a coevolução dos arbovírus com seus hospedeiros e vetores contribui para sua existência a longo prazo na natureza e ocasional propagação e re-emergência”, completa o cientista.

Aplicações

Ele afirma que não há evidência de que essa mutação pode tornar o vírus mais perigoso para os humanos infectados, mas que sua equipe está interessada em continuar a investigação para saber como essa mutação pode impactar a manifestação da doença em humanos.

Segundo Cheng, a descoberta pode levar ao desenvolvimento de estratégias que tenham essa mutação como alvo, o que poderá reduzir o número de mosquitos infectados e, consequentemente, controlar a prevalência do vírus da zika.

Ele também propõe que a imunização contra a proteína NS1 do vírus da zika em humanos poderia interromper o ciclo de vida do vírus.

O conteúdo dos comentários abaixo é de responsabilidade de seus autores e não representa a opinião deste portal.

Curta no Facebook